“My beautifull struggle”

Hoje acordei pensativa… Será TPM? Não sei, mas estava meio sem idéia do que postar por aqui, meio sem saco de pensar ou construir algo novo. Sabe quando você começa a repensar as coisas? Aí vem aquele questionamento que já me deparei algumas vezes nessa jornada de  “blogueira”. Porque continuar? Já tem blogs demais, será que alguém lê o que eu tô escrevendo? E no meio dessa nuvenzinha negra, lembrei de uma linda história que queria compartilhar com vocês.

A história se passa num vídeo intitulado “my beautifull struglle” (algo como minha doce batalha) que conta a história de Jordan Bone e já teve mais de 4 milhões de visualizações.

Jordan Bone

Jordan tem um canal no Youtube onde ensina tutoriais de maquiagem (lindos por sinal), mas, havia algo que as pessoas questionavam as vezes mais do que os próprios vídeos. Perguntas como “o que há de errado com suas mãos” ou “porque você segura os pincéis dessa maneira?” era super frequentes, então, Jordan resolver abrir um pouco da sua vida para o mundo.

Há 10 anos, ela sofreu um acidente de carro que a deixou paraplégica e tirou também parte do movimento de suas mãos. Em uma cadeira de rodas e incapaz de mexer as mãos, ela pensou que aquilo poderia ser o fim do seu sonho, que era levar o que ela amava, a maquiagem e tutoriais de beleza as pessoas.

Mas ela não desistiu…

No vídeo, ela conta como o começo foi difícil. Era impossível segurar um pincel, usar um rímel sem sujar o rosto e a roupa, delineador então? nem pensar… Foi a perseverança e o treino que a ajudaram a conquistar seu objetivo. Hoje, ela não só aprendeu a fazer sua maquiagem sem ajuda, como faz e ensina coisas lindas!

E essa história me inspirou. O que são as minhas dificuldades comparadas as dela? O que está, de fato, entre mim e meu sonho? E vi que sou privilegiada. Privilegiada por poder fazer o que amo todos os dias, que é falar aqui com vocês, mostrar um pouco do que me inspira, do que me incentiva. Não é só ser “blogueira” é ter um espacinho seu, pra compartilhar besteirinhas que te alegram com pessoas queridas que dão um pouco do seu tempo pra te ouvir.

Então, queria terminar esse post agradecendo. Por poder me expressar aqui, por ter saúde e agradecer a você que me acompanha por aqui. Meu muito obrigada! Vou deixar aqui e vídeo pra que vocês também sejam inspiradas por essa linda história de superação e amor.

“Sempre espalhe sentimentos positivos e seja bondoso. A vida é curta demais pra se perder tempo com negatividade” Jordan Bone.

“Imperfection is fine…”

Hoje vim falar rapidinho sobre um assunto que é muito polêmico e controverso: a ditadura da beleza no mundo da moda – o “modelo” ou “padrão” ideal de beleza

Cabelos loiros, compridos, em ondas impecáveis, 1,70 de altura, pernas longas e finas, 50kg, corpo esguio e malhado, pele bronzeada… e quem não se encaixa? Bom, quem não se encaixa corre atrás… Já ouvi muitas frases como : “porque você não pinta os cabelos?” “já pensou em colocar silicone?” “você é muito baixinha” “suas pernas são muito grossas” a exposição que o título de blogueira traz vem com essas coisas…

Não vou mentir que sou vaidosa e busco ficar mais bonita. Gosto de me cuidar, de mudar algumas coisas, mas ai penso – e o que não posso mudar? Nem sempre é fácil aceitar suas imperfeições, conviver bem com elas, amar seu corpo, seu reflexo no espelho. E o bombardeio que sofremos da mídia só piora isso. Mulheres lindas estampadas em capas e outdoors, modelos de “perfeição”, inatingíveis em seus pedestais. É o que vende, o que dá ibope.

Há tempos que ouço pessoas falando em “mudar esse padrão” mas nunca achei que fosse um movimento que traria diferença, sabe, que fosse mudar a indústria da moda. Até que, no mês passado, uma notícia me chamou atenção – Anna Wintour teria dito a seguinte frase numa conferência de editores: “imperfection is fine” algo como “imperfeição está bom”. Sério?

Pra vocês entenderem melhor o peso dessa frase, vou começão pelo básico – Quem é ANNA WINTOUR?  Editora chefe da Vogue americana, ou, como gosto de apresenta-la, a pessoa que inspirou a personagem Miranda Priestly do filme “o diabo veste prada”. Deu pra entender?

Anna é conhecida como a “rainha da perfeição” e protagonizou grandes polêmicas ao insistir em utilizar photoshop nas fotos de Hillary Clinton para a revista e ao sugerir a apresentadora Oprah que perdesse um pouco de peso antes de aparecer na capa.

Então, qual foi minha surpresa ao ouvia a Anna defender a imperfeição. Isso significa menos frases de apelo nas revistas como “tenha cabelos perfeitos” “o segredo do corpo perfeito” e mais estímulo para que as mulheres se aceitem como são, seus defeitos e qualidades sem necessariamente abandonar sua vaidade.

A percepção dessa nova realidade por pessoas influentes como Anna, pode sim causar mudanças concretas no padrão de beleza que é imposto as mulheres e contribuir para a maior democratização da moda.

Termino esse post com fotos da Kim Kardashian para a Vogue espanhola, num ensaio lindo em que ela aparece “ao natural” bem diferente da Kim que estamos acostumados a ver. Claaaaro que sei que ela não está sem maquiagem, mas a descontrução do padrão de beleza que ela costuma apresentar foi interessante e já pode ser um sinal de mudança dessa visão, não é mesmo?

A mensagem que queria passar era de aceitação. Sei que não é fácil porque eu mesma lido com isso todos os dias, mas saber conviver com suas imperfeições é chave pra uma vida mais feliz e completa. Por isso eu digo a quem já perguntou: “não, não queria ser loira”, “não quero colocar silicone, obrigada”, “sou baixinha mesmo, mas sei usar salto” e “sim, minhas pernas são grossas e minha vózinha acha lindo!”

Vivam mais! Aceitem-se! Comam chocolate! kkkkkk